Artilheira dentro e fora
de campo

 MEGAN RAPINOE

Eleita a melhor jogadora da Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2019, Megan Rapinoe será lembrada por muito tempo.

A atacante dos Estados Unidos é uma craque da bola, mas também se destaca fora dos campos.

Há bastante tempo, ela é conhecida por seu ativismo político e luta pelos direitos das atletas norte-americanas.

Na véspera da final da Copa Feminina de 2019, Megan participou de uma coletiva na qual criticou abertamente o planejamento da Fifa.

A artilheira disse que a entidade provou seu desrespeito com o futebol feminino ao marcar a partida no mesmo dia da Copa América e da Copa Ouro.

As críticas à Fifa não acabaram por aí. Megan ainda alfinetou a escolha do Catar como sede da Copa do Mundo masculina de 2022.

“Como esperar algo se vão levar uma Copa do Mundo para o Catar, mesmo com todas as questões que sabemos que existem lá?”, disparou Megan.

Ela tem um ponto: o país peninsular árabe atinge altos índices de pobreza e enfrenta denúncias de trabalho escravo na preparação do torneio.

Sua resposta à Donald Trump durante a Copa também virou manchete no mundo todo.

Megan avisou que não iria à Casa Branca caso a seleção americana fosse campeã.

Voz da comunidade LGBTQIA+, a jogadora é casada com a atleta Sue Bird.

Megan costuma apontar como a administração de Trump representa um retrocesso no campo da igualdade e da luta contra a discriminação nos EUA.

Em resposta a ela, Trump postou seus usuais tweets e afirmou que a atacante deveria vencer antes de falar, além de terminar seu trabalho.

Megan foi a capitã na partida final, contra a Holanda, em que sua seleção venceu por 2×0. A atleta ainda levou a Bola e a Chuteira de Ouro.

Definitivamente, Megan Rapinoe mostra a importância da representatividade e que política e esporte jogam juntos.

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE É NO HYPENESS