O funk-soul do Boogie Naipe 

MANO BROWN

Ao lançar seu primeiro álbum solo, “Boogie Naipe”, em 2016, Mano Brown pode ter causado surpresa em muitas pessoas 

Isso porque, à primeira vista, o álbum pode soar distante das rimas pesadas do rapper no grupo Racionais MC’s 

Reprodução / @jef.delgado

Com raízes na música preta dos anos 1970, o álbum passeia pelo romance e transborda inspirações de funk americano, soul, R&B, samba e pagode

Reprodução / @jef.delgado

Em entrevista ao site “Reverb”, Brown explica que a atmosfera de baile black que permeia o “Boogie Naipe” sempre esteve presente no trabalho dos Racionais


“Aquelas músicas que o Racionais canta em cima, aquelas músicas originais, elas são dos anos ‘80, ‘70”, diz Brown

“Você pode falar da luta de classes, onde pessoas estão inseridas em um número, ou você pode falar de amor, onde pessoas são pessoas”, completa o músico 


O romantismo e o ritmo dançante de figuras brasileiras como Jorge Ben, Tim Maia e Cassiano também serviram de inspiração para Brown

Nascido em 1970 e criado no Capão Redondo, em São Paulo, ele tem referências que vão de James Brown e Marvin Gaye a Zeca Pagodinho e Fundo de Quintal 

“O ‘Boogie Naipe’ é a extensão do Racionais. Não é uma outra língua, é a mesma língua. É a mesma linhagem. É a continuação da ideia”

imagens

Produção DE web stories

textos

Kathleen Santiago
Renata Beatriz

Getty Images e Instagram (@jef.delgado)

Bárbara Martins

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE É NO HYPENESS