RACISTA

com sua arte

Kajahl o artista que contrariou o eurocentrismo

O estilo ‘blackamoor’ era bastante comum na Europa do século XIX; artistas criavam imagens de pessoas negras em posições de servidão como uma espécie de souvenir.

O artista estadunidense Kajahl decidiu ressignificar o estilo do blackamoor e colocar as pessoas pretas no centro dos seus retratos.

A pele retinta dos protagonistas de seus quadros está sempre em posição de poder; são negros cientistas, imperadores e místicos.

A série ‘Royal Spectre’ foi desenvolvida por Kajahl como uma forma de subverter o racismo e colocar diversos elementos culturais de culturas africanas no centro da tela.

“A minha fantasia é olhar para a fantasia deles. Eu sou a fantasia deles e eles são a minha. Eu sou o espectro da imaginação deles”, diz o artista de 35 anos, cujo trabalho está em exposição na Monique Meloche Gallery, em Chicago.

A proposta decolonial de arte de Kajahl, é, segundo o próprio, um meio de “atravessar diferentes culturas e temporalidades como forma de desafiar nossas ideias sobre como nos vemos e vemos os outros”.

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE É NO HYPENESS