machistas

A Inteligência Artificial que responde comentários

O Bradesco anunciou nesta semana que a BIA, assistente de voz em Inteligência Artificial do banco, vai passar a responder comentários ofensivos e misóginos à altura dos assediadores.

O tradicional banco brasileiro afirmou que a medida teve de ser tomada após a inteligência artificial ter recebido mais de 90 mil mensagens de assédio apenas no ano passado.

fonte: https://www.moveisdevalor.com.br/portal/parceiro-magalu-e-lancado-antes-por-causa-do-coronavirus

A Bia não foi a única IA empresarial que sofreu pelo problema no Brasil: a Magalu, da Magazine Luiza, sofre até hoje com mensagens bizarras de homens assediadores.

A questão é tão recorrente que, em 2020, a Unesco interveio por meio da campanha #HeyUpdateMyVoice‘ (“Ei, atualize minha voz”, em tradução livre), para que mulheres gravassem respostas às ofensas sofridas pelas assistentes virtuais.

A Bia foi programada para identificar esses casos, como por exemplo:
P: Quer transar?
R: O que pra você pode ter sido só uma brincadeira ou comentário, para mim foi ofensivo. Sou uma inteligência artificial, mas imagino como essas palavras são desrespeitosas e invasivas para mulheres reais. Não fale assim comigo e com mais ninguém.

A resposta pode parecer um pequeno passo, mas é uma forma de denunciar ao próprio assediador a violação. Outro exemplo:
P: Você já fez sexo?
R: Essas palavras são inadequadas para a nossa conversa. Além disso, sou uma inteligência artificial que fala sobre assuntos financeiros.

O Bradesco lançou também um estudo que aponta as empresas que se empenham na defesa pela empatia com a voz feminina. O objetivo do banco é conscientizar sobre o machismo também offline, fora da internet.

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE É NO HYPENESS