Esponjas marinhas em

ENXERTOS ÓSSEOS

O colágeno e a biossílica de esponjas marinhas estão sendo usados para desenvolver uma membrana de reparo para queimaduras e úlceras da pele, além de uma estrutura para enxertos ósseos

As soluções estão sendo desenvolvidas por um grupo de cientistas coordenado pelas pesquisadoras Ana Claudia Renno e Renata Neves Granito

O projeto está ligado ao Laboratório de Biomateriais e Engenharia de Tecidos (Labetec) da Unifesp e conta com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de
São Paulo (Fapesp)

Os produtos estão em diversas fases dos testes pré-clínicos. O colágeno foi extraído da espécie Aplysina fulva e o bioativo biossílica foi obtido da espécie Tedania ignis

O colágeno já é um material bastante utilizado para enxertos, mas, na maioria dos casos, usa-se matéria-prima de tecido de boi ou de porco, que resultam em produtos
muito caros

Contudo, ainda não há nenhum produto do gênero à base de colágeno marinho no mercado

Dessa maneira, é promissora a descoberta de que o colágeno da esponja marinha é biocompatível com seres humanos e que também é capaz de acelerar o processo de reparo dos tecidos

imagens

PRODUÇÃO DE WEB STORIES

textos

Bárbara Martins
Matheus Honorato

Getty Images

Redação Hypeness

INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE É NO HYPENESS